Quem sou eu

Minha foto
Bagé, RS, Brazil
Alguém apaixonado pelas bikes,desde pequeno pratico o ciclismo. Durante a semana trabalho e estudo, faço faculdade de Sistemas de Informação na Urcamp. Finais de Semana e feriados são meus melhores dias da semana... onde eu posso pegar minha magrela e me aventurar pelos pampas...

Equilíbrio em duas rodas

Viver é como andar de bicicleta : É preciso estar em constante movimento para manter o equilíbrio.
Viva em equilíbrio. Pedale!!!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Pedalada de Natal - Bagé / Ácegua II



Neste dia 24, véspera de Natal, eu e alguns amigos (Newton, eu, Rodolfo e Beto) nos encontramos para mais uma pedalada rumo a Ácegua. Durante o trajeto, ficamos impressionados com o movimento de carros no asfalto, o pessoal aproveitando para fazer compras no freeshop, que álias, estava lotado. O tempo está ótimo para um pedal, nublado, e sem muito calor, o que resultou em chuva,  quando estávamos chegando em Ácegua, que nos acompanhou na volta do percurso.
         Na volta de Ácegua, como disse o Beto, a Lei de Murphy nos pegou. O pneu da bike do Beto furou, até aí tudo bem. Eu tinha duas câmaras reservas. O que não esperávamos é que as duas câmaras reservas estavam furadas. Nossa pedalada, minha e do beto terminou ali. Sorte que o Beto consegui ligar e pedir socorro para sua esposa, que nos buscou.  
          Rodolfo e Newton, estavam muito bem treinados. Deram um sprint na saída e sumiram no asfalto. As fotos estão logo abaixo.


Obs : Clique na foto e abra o álbum de fotos.


quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Quem Pedala...

Tem mais saúde - Ao mesmo tempo em que você se locomove, faz exercícios físicos e contribui para sua saúde e bem-estar.

Emagrece - Andar de bike é um exercício aeróbico, portanto queima calorias.

Exercita a cabeça - O momento em que você está em cima da bicicleta é aquele em que as grandes idéias surgem. Esse fato tem tudo a ver com o exercício. Fazer uma atividade aeróbica regular gera uma melhora significativa da memória e de outras habilidades mentais.

Economiza dinheiro - Ao trocar o carro pela bike, você deixa de gastar uma boa grana com combustível.

Ajuda a cuidar do planeta - Ao andar de bike, você não lança dióxido de carbono, ajudando a reduzir as concentrações do gás e deixando o planeta menos poluído.

Tem mais disposição - Pedalar estimula a produção de endorfina, neurotransmissor que dá a sensação de bem-estar. Ou seja: ao final da pedalada, você vai ganhar uma tremenda disposição para enfrentar o dia-a-dia.

Previne doenças - Pedalar ajuda a manter o organismo ativo e não deixa que vários mecanismos enferrujem. Você fica resistente a várias doenças, como osteoporose e problemas cardíacos.

Mantém a cidade mais limpa - Além de não poluir, o modal também é silencioso e diminui o barulho nas grandes cidades.

Diminui o trânsito - O motorista que deixa o carro em casa contribui para melhorar o trânsito. Cada bicicleta é um carro a menos nas ruas.

Conhece melhor a cidade - Preso dentro do carro, você nem imagina quanta coisa legal é possível encontrar nas ruas da cidade. Andando de bike, o seu campo de visão se amplia e você consegue visualizar melhor o ambiente.

Sente-se livre - Andando de bicicleta, além de sentir aquele vento gostoso no rosto, você experimenta uma sensação de liberdade.

Pedalada de Natal - Bagé / Ácegua

    Nesta sexta-feira,24/12, véspera de Natal, um grupo de ciclistas (eu, Rodolfo e Beto) iremos fazer um pedal até a cidade cidade de Ácegua, distante 66km de Bagé. A saída será as 8:00 em frente ao Posto Internacional (perto do cemitério).
       Quem tiver interesse em participar, apareça no local da partida.

Pedal Noturno 22.12.2010

Nesta quarta-feira, a noite estava perfeita para um pedal noturno, uma noite muito agradável acompanhada de linda lua cheia. Aproveitando todo esse cenário, eu e mais alguns amigos de pedal saimos para pedalar. Goreti, Cristina, Rodolfo, que está se enturmando com a turma do pedal, e Beto, um amigo bageense que está passando as férias na sua cidade natal, também amante pelos pedais. 
       O trajeto foi a tradicional volta , indo pela BR, passando pela Polícia Rodoviária, indo até o Cantegril Clube, totalizando 42km de pedal.


     

sábado, 18 de dezembro de 2010

Feras do ciclismo se reúnem para a Copa da República, em Brasília



O melhor do ciclismo nacional de estrada, no masculino e feminino, estará reunido em Brasília neste domingo. O motivo é a disputa da nona edição da Copa da República de Ciclismo, uma das mais importantes competições do calendário nacional. A disputa será em um circuito de 2,3 km, montado na Esplanada dos Ministérios, um dos pontos turísticos de Brasília. O evento começará as 8h15m, com o feminino, em percurso entre 6 e 8 voltas, seguido pelo masculino, de 12 a 16 voltas, largando às 9h30m. A TV Globo mostrará o evento ao vivo, dentro do Esporte Espetacular.
            O percurso praticamente plano da Esplanada, de 2,2 km, permite que a prova seja muito rápida e decidida nos detalhes. Sua curta duração também faz com que as estratégias das equipes sejam mudadas em função de uma prova de pura explosão e que sempre tem finais disputadíssimos. Neste ano, a prova servirá como seletiva para a Copa América 2011, programada para o dia 9 de janeiro.


Posted by Picasa

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Fotos ACP Audax Randonné 300km Santa Maria

Vejam as fotos do último brevet de 300km que os Audaxiosos  de Bagé participaram na cidade de Santa Maria nos dias 4 e 5 de dezembro de 2010.




Para vizualizar o álbum completo das fotos, clique nos links abaixo:

http://picasaweb.google.com/smciclismo/AUDAXRANDONNE300KMSantaMaria#

http://picasaweb.google.com/diogoberghahn/Audax300kmSantaMaria?authkey=Gv1sRgCPT3pr3h4fe3Dg&feat=directlink#

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Brevet 400km - Janeiro 2011





Atenção Audaxiosos de Bagé !!!!!!!!!!!!!!!!


Válido como classificatório para o Paris Brest Paris Randonneur 2011
Data:  08 e 09 de janeiro de 2011 
Onde: Santa Cruz do Sul, RS
Organização: Santa Ciclismo

Largada e chegada no Hotel Feldmann
-----------------------------------------------------
Hotel Feldmann
Br-471 Km 131 Distrito Industrial
Santa Cruz do Sul, RS
Fones: 51-3719-1040
51-3719-1672
Contato Cleusa

Janta no Hotel= 12,00 ( Reunião Técnica)
Café da manhã a partir das 2:15 no dia 08 antes da largada
Diárias de 40,00 à 65,00 por pessoa.

Inscrições: no site www.faccinadventure.com.br e também no blog audaxsantacruz
Período para inscrições: abertura em breve e encerramento até o dia 04 de janeiro.
Valor da inscrição: R$90,00
Programação:
Dia 07 de janeiro
Das 19 até 19:45= Entrega termo responsabilidade e retirado do kit para o brevet;
Às 20 horas= reunião técnica com presença obrigatória para todos os participantes;
Dia 08 de janeiro
Às 3 horas= vistoria das bikes equipamentos e entrega passaportes
Às 3h e 30 minutos= largada.
Dia 09 de janeiro
Às término do tempo para a chegada= 6h e 30 minutos
Às 10h e 30 minutos= premiação.
Percurso:
Santa Cruz do Sul- Rio Pardo- Pantano Grande- Encruzilhada do Sul- Posto Fita Azul ( BR 392- município de Canguçu).
Retorno a Santa Cruz no mesmo percurso.

PCs e PAs 

PA-1 = Km 49,90 = Raabelândia -Pantano Grande
PC-1 = Km 90,90 = Posto BR- Encruzilhada do Sul
PA-2= Km 158,90 = Bar do Neto antes da ponte sobre o Rio Camaqua.
PC-2 = Km 205,50 = Posto Fita Azul- Canguçu
PC-3 = Km 269,30 = Bar Silveira
PA-3 = Km 318,80 = Posto BR- Encruzilhada do Sul( restaurante até ½ noite)
PC-4 = Km 359,80 = Raabelândia -Pantano Grande
PA-4 = km 383,80 = Posto Dragão- Rio Pardo
Chegada= km 409,7 = Hotel Feldmann com o vigilante (tocar a campainha).


    Mais informações : http://audaxsantacruz.blogspot.com/

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A Força do Ciclismo Bageense



Nesta segunda-feira, foi publicado no caderno Minuano Esporte, uma reportagem sobre o grupo de ciclistas que participaram do último AUDAX 300. Leia a reportagem abaixo:



A força do ciclismo bajeense
Bagé marcou presença efetiva no Audax 300, uma das mais tradicionais provas do circuito mundial de longa distância e alta resistência.

Os participantes do Pampedal Ciclo Regert TAL, Arnaldo Garcia Antunes, Goodymar Oliveira, João Jardim e João Gabriel cumpriram com sucesso 300 quilômetros entre Santa Maria (pela BR-158 – Val da Serra) e Jaguari, retornando ao ponto de origem dentro do prazo regulamentar e fazendo jus ao brevet Randonneuer. De acordo com as normas emitidas pelo Clube Audax Pariesien, os bajeenses estão habilitados a participar do Audax 400, que, em 2011, provavelmente, será realizado em Brasília.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Treino em Colônia Nova

Nesta quinta-feira, logo cedo da manhã, aproveitando  a oportunidade de conferir um trajeto que irei fazer neste sábado na Colônia Nova, para a festa de final de ano do meu trabalho,  fiz um treino de mountain-bike até a cidade de Colônia Nova, totalizando 95km de pedal. Confiram as fotos.




terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Audax 300


       Garra e Superação. Essa são as palavras para descrever  este brevet do audax 300, que aconteceu neste último final de semana na cidade de Santa Maria. Participaram deste brevet os audaxiosos  Arnaldo, Godimar, João Jardim e João Gabriel.
          A largada foi do Centro Mariano ás 18h, com tempo máximo de 20 horas para o fim da prova.






Já no início do trajeto, tivemos que enfrentar a subida da Garganta do Diabo, que subimos cerca de 30km de subida íngrime, mas nada comparado ao que iriamos enfrentar mais a frente. O trajeto passou pelas cidades de São Pedro do Sul, São Vicente do Sul e Jaguari, retornando a Santa Maria, totalizando 309km.Eu completei este brevet em 18horas e 23 minutos. Parabens a esses guerreiros que com muita garra e determinação completaram mais este brevet. Que venha os 400km agora hehehehe !!!!!
Pelotão na noite
video


Veja abaixo a tabela de tempos e as fotos deste brevet:




segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Audax



O Que é Audax?

A palavra "Audax" vem do latim, audacioso, corajoso, é o nome dado a este evento ciclístico não-competitivo e de longa distância, conhecido internacionalmente também pelo nome de "randonnees". O grande foco dos eventos Audax é a possibilidade de percorrer longas distâncias em veículos de propulsão exclusivamente humana no seu próprio ritmo, terminando o percurso dentro do tempo limite estabelecido.

Além do tempo estabelecido, deve ser observado o regulamento, que exige equipamentos de segurança a serem aplicados tanto no equipamento quanto usados pelo ciclista. (capacete, luzes dianteira e traseira afixadas à bicicleta, pilhas reservas e colete refletivo).

Além dos equipamentos, nos eventos promovidos é exigido também um atestado firmado por profissional habilitado que declare estar o participante apto à prática de ciclismo de longa distância e longa duração.

O que é Brevet?
São os estágios reconhecidos pelo Les Randonneurs Mondiaux, e que levam à habilitação para a prova maior do Audax: Paris-Brest-Paris, de 1200 km.

O tempo máximo global para cada percurso é dado pela tabela abaixo, de acordo com as regras do LRM. Neste tipo de pedalada existem postos de controle com horário de abertura e horário de fechamentos pré-determinados. Cada ciclista recebe um cartão de rota com o percurso a ser percorrido e localização dos postos de controle, onde deve carimbar seu cartão de rota e marcar o horário de passagem.


                                       Distância    Tempo      Classificatório
                                          200 km      13h30        Nenhum
                                          300 km      20h            Brevet 200 km
                                          400 km      27h            Brevet 300 km
                                          600 km      40h            Brevet 400 km
                                        1200 km      90h            Brevet 600 km

Resumindo:
Para participar do Brevet de 300km o ciclista devera ter feito antes (no mesmo ano) o Brevet de 200, para participar do Brevet de 400 deverá ter feito o de 300 (no mesmo ano) e para participar do de 600km deverá ter feito o de 400 no mesmo ano. A série completa é a qualificação para qualquer evento de 1200 km LRM no mundo (no mesmo ano).

         E neste próximo final de semana, acontecerá mais um Brevet do Rondonnée Audax na cidade de Santa Maria- RS, agora com o percurso de 300km.


(Clique Aqui) para saber mais informações.


      


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Audaxiosos de Bagé

 Luciano Perú,João Jardim, Godimar, Nilton, João Gabriel, Arnaldo,
 Heron Regert, Ariovaldo e Ivo,
com nossos certificados do Brevet  de 200km
           Neste último sábado, 20 de novembro, um grupo de ciclistas, e parceiros de pedal de Bagé participaram do Audax 200km em Santa Cruz do Sul - RS.
           A saída foi sexta-feira as 14h em frente a Ciclo Regert. Na viagem, muita histórias e expectativas sobre o que iriamos enfrentar nesse Audax.

Na chegada a Santa Cruz, fomos direto a UNISC (foto), onde nos encontramos com Marco Valim, organizador do evento, onde fizemos a vistoria nas bikes e recebemos algumas instruções para a prova.
Galera tomando um café, pra enfrentar mais esse desafio
       No sábado, por volta das 5h da manhã, fomos para o campus da Unisc, com a largada programada para as 6h. Pontualmente, as 6h, cerca de 75 ciclistas do estado e de outros estados participaram da prova. 

Arnaldo e eu chegando no PC1



O percurso iniciou pela RSC 287, entrando logo depois na RS 405, passando pela cidade de Passo do Sobrado. Já na RS 244 passamos pelo Vale Verde( foto abaixo), tendo o 1ª e o 3ª ponto de controle(no Parque de Pesca Panorama, onde pudemos parar para descansar e repor as energias.
 Depois passamos pela cidade de General Câmara, pegando a RS 401 e indo até a cidade de São Jerônimo. Após 200km de pedal, completei o percurso em 11h e 15min.



Eu, Arnaldo e Nilton na ponte sobre o Rio Jacuí

Arnaldo, Ariovaldo, Nilton e eu, descando no PC 3

Queria agradecer a organização impecável do Grupo Santa Cliclismo, pelo apoio da equipe da Ciclo Regert e por todas as mensagens recebidas por nossos amigos de Bagé, que nos desejaram sorte nesta prova.



Local            Ciclistas

Santa Cruz do Sul     14
Porto Alegre          10
Bagé                   9
Santa Maria            7
Jaraguá do Sul         3
São Sebastião do Caí   3
Vera Cruz              3
Bento Gonçalves        2
Candelária             2
Mato Leitão            2
Passo Fundo            2
São Jerônimo           2
Butiá                  1
Curitiba               1
Florianopolis          1
Guarapuava             1
Lajeado                1
Panambi                1
Pelotas                1
Rio de Janeiro         1
 Santo André            1 


   Confira as Fotos:




quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Audax

ESTÁ CONFIRMADO!!!!!!!!!!!!!!!!



Depois de muita espera e expectativa durante todo o ano, está confirmado, AUDAX Santa Cruz, se realizará no dia 20 de novembro em Santa Cruz do Sul. A largada será as 06:00 horas no Campus da Unisc em Santa Cruz do Sul e prazo máximo de chegada será as 19:30 horas. O trajeto passará pelas cidades de Passo do Sobrado, General Câmara e São Gerônimo.

 200 km's planos com somente duas subidas, uma logo no início e outra, no Cerro Boa Esperança. Uma boa oportunidade para baixar o tempo nos 200km ou apreciar um longo passeio pela planície entre o Taquari e o Jacuí.

Maiores informações Santa Ciclismo
                                 Blog Heron Regert





quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pampedal Especial - Aceguá 02.11.10

Grupo na chegada
Neste feriado de Finados, o grupo do Pampedal se reuniu mais uma vez no Posto Internacional para uma pedalada até a cidade de Aceguá, distantes 120km de Bagé. Bom, depois de um final de semana com ventos fortes, no feriado, o dia estava muito bom pra pedalar, com vento fraco, apesar do calor intenso. A galera pedalou forte, fazendo o percurso em pouco mais de 3 horas de pedal.
 Eu o Godimar, os speedeiros, vinhamos puxando o grupo. Minha magrela superou minhas expectativas, eu estava bem disposto e, pude fazer o percurso, na ida, em 2h e 23min(tempo médio), AVG de 28.6. E na volta, fiz em 1h e 50min, AVG 29.1
No caminho, tivemos uma grata surpresa, encontramos nossos companheiros de pedal, Sílvia e Lafayete,  no asfalto, onde nos acompanharam até Aceguá. Meus parabéns a vocês que venceram mais esse desafio! É como eu digo: É o desafio que nos move. Que seja a primeira de muitas que virão.

 Queria agradecer a todos os meus amigos e companheiros de pedal pela ótima companhia e pelos bons momentos vividos através do pedal. Abraço a todos e até a próxima.

Selecione a foto e clique para visualizar o álbum de fotos


Pampedal 31.10


Apesar dos ventos de 80 km neste domingo conforme a previsão do tempo, nosso grupo do pampedal dominical não se abalou. Meus companheiros, Arnaldo,Pedro Regert,Duda, e Ricardo, nosso mais novo companheiro de pedal, que está iniciando a pedalar conosco, que não queria pedalar muito longe, mas andou muito bem os cerca de 25km.
O trajeto foi a tradicional subida do Clube Cantegril, retornando pela estrada do Morro da TV Bagé.

Selecione a foto e clique para abrir o álbum de fotos.


Pedalada do Batom 30.10

Neste sábado, participei de mais uma pedalada do Batom, onde cerca de 15 ciclistas( a maioria mulheres ) também puderam participar. O trajeto foi o Trevo da Macumba, passando pela estrada Coxilha de Fogo  e retornando pela Arvorizinha.  Eu particularmente gostei da pedalada, pois ainda nao tinha pedalada naquela estrada, aproveitando para conhecer melhor o bairro Arvorizinha, um dos bairros de Bagé.


Primeiros Socorros para Ciclistas

Gostaria de compartilhar com vocês esta matéria que li no blog do meu amigo Heron Regert, que fala sobre a importância dos equipamentos de segurança para nós ciclistas e dicas muito valiosas de primeiros socorros para ciclistas.

Mesmo os ciclista mais experientes não estão livres de pequenos imprevistos durante o pedal. Uma queda, uma derrapada fora de hora ou até uma distração rápida podem causar acidentes de bicicleta.


Em um acidente, podemos sofrer apenas um arranhão ou podemos sofrer algo mais grave. Sabemos que em um acidente, a rapidez, o tipo e a qualidade do socorro prestado faz toda a diferença em como esta ocorrência afetará o envolvido. Nosso intuito então é fornecer algumas noções básicas de primeiros socorros, que podem ser utilizadas tanto num acidente em um local ermo, uma trilha, por exemplo, onde o socorro pode ter dificuldades em chegar, quanto na cidade.

A bicicleta é um veículo que depende do condutor para se manter estável, “desafiando a gravidade” o tempo todo, por assim dizer. Assim, o fato é que basta estar pedalando na rua para estar sujeito aos mais diferentes tipos de acidentes, graves ou não, e estes podem ser desde uma queda cinematográfica, divertida e inofensiva, digna de um vídeo no YouTube, até um acidente envolvendo um veículo automotor, ou mesmo uma picada de cobra em alguma trilha.

Tanto na situação mais simples quanto na mais complexa, o importante é sempre manter a calma para fazer o melhor julgamento possível da situação. Em áreas de cidade, por exemplo, o melhor a fazer em caso de acidente é isolar a área, procurar manter a imobilidade do acidentado e chamar por socorro o mais rápido possível.

Os acidentes mais comuns costumam ocorrer nas extremidades, seguidos de lesões na cabeça, face, abdomen ou tórax e pescoço. Mas os mais comuns mesmo são as escoriações, os famosos “ralados“, que podem ser superficiais ou mais profundos – e neste caso podem necessitar até de intervenções cirúrgicas de modo a previnir futuras cicatrizes traumáticas. As distensões, fraturas e luxações também são bastante comuns. Um dos ossos mais vulneráveis para o ciclista é a clavícula, sendo acompanhado de perto pelos braços, juntamente com os dedos das mãos.

Traumatismos cranianos ocorrem em até 50% dos casos de acidentes, sendo responsáveis por 60% dos óbitos. Ou seja, ciclistas que não usam capacete têm 14 vezes mais chances de sofrerem um acidente fatal do que aqueles que utilizam o equipamento de proteção.
Mesmo os ciclista mais experientes não estão livres de pequenos imprevistos durante o pedal. Uma queda, uma derrapada fora de hora ou até uma distração rápida podem causar acidentes de bicicleta.


Em um acidente, podemos sofrer apenas um arranhão ou podemos sofrer algo mais grave. Sabemos que em um acidente, a rapidez, o tipo e a qualidade do socorro prestado faz toda a diferença em como esta ocorrência afetará o envolvido. Nosso intuito então é fornecer algumas noções básicas de primeiros socorros, que podem ser utilizadas tanto num acidente em um local ermo, uma trilha, por exemplo, onde o socorro pode ter dificuldades em chegar, quanto na cidade.

A bicicleta é um veículo que depende do condutor para se manter estável, “desafiando a gravidade” o tempo todo, por assim dizer. Assim, o fato é que basta estar pedalando na rua para estar sujeito aos mais diferentes tipos de acidentes, graves ou não, e estes podem ser desde uma queda cinematográfica, divertida e inofensiva, digna de um vídeo no YouTube, até um acidente envolvendo um veículo automotor, ou mesmo uma picada de cobra em alguma trilha.

Tanto na situação mais simples quanto na mais complexa, o importante é sempre manter a calma para fazer o melhor julgamento possível da situação. Em áreas de cidade, por exemplo, o melhor a fazer em caso de acidente é isolar a área, procurar manter a imobilidade do acidentado e chamar por socorro o mais rápido possível.

Os acidentes mais comuns costumam ocorrer nas extremidades, seguidos de lesões na cabeça, face, abdomen ou tórax e pescoço. Mas os mais comuns mesmo são as escoriações, os famosos “ralados“, que podem ser superficiais ou mais profundos – e neste caso podem necessitar até de intervenções cirúrgicas de modo a previnir futuras cicatrizes traumáticas. As distensões, fraturas e luxações também são bastante comuns. Um dos ossos mais vulneráveis para o ciclista é a clavícula, sendo acompanhado de perto pelos braços, juntamente com os dedos das mãos.

Traumatismos cranianos ocorrem em até 50% dos casos de acidentes, sendo responsáveis por 60% dos óbitos. Ou seja, ciclistas que não usam capacete têm 14 vezes mais chances de sofrerem um acidente fatal do que aqueles que utilizam o equipamento de proteção.


Mesmo os ciclista mais experientes não estão livres de pequenos imprevistos durante o pedal. Uma queda, uma derrapada fora de hora ou até uma distração rápida podem causar acidentes de bicicleta.


Em um acidente, podemos sofrer apenas um arranhão ou podemos sofrer algo mais grave. Sabemos que em um acidente, a rapidez, o tipo e a qualidade do socorro prestado faz toda a diferença em como esta ocorrência afetará o envolvido. Nosso intuito então é fornecer algumas noções básicas de primeiros socorros, que podem ser utilizadas tanto num acidente em um local ermo, uma trilha, por exemplo, onde o socorro pode ter dificuldades em chegar, quanto na cidade.

A bicicleta é um veículo que depende do condutor para se manter estável, “desafiando a gravidade” o tempo todo, por assim dizer. Assim, o fato é que basta estar pedalando na rua para estar sujeito aos mais diferentes tipos de acidentes, graves ou não, e estes podem ser desde uma queda cinematográfica, divertida e inofensiva, digna de um vídeo no YouTube, até um acidente envolvendo um veículo automotor, ou mesmo uma picada de cobra em alguma trilha.

Tanto na situação mais simples quanto na mais complexa, o importante é sempre manter a calma para fazer o melhor julgamento possível da situação. Em áreas de cidade, por exemplo, o melhor a fazer em caso de acidente é isolar a área, procurar manter a imobilidade do acidentado e chamar por socorro o mais rápido possível.

Os acidentes mais comuns costumam ocorrer nas extremidades, seguidos de lesões na cabeça, face, abdomen ou tórax e pescoço. Mas os mais comuns mesmo são as escoriações, os famosos “ralados“, que podem ser superficiais ou mais profundos – e neste caso podem necessitar até de intervenções cirúrgicas de modo a previnir futuras cicatrizes traumáticas. As distensões, fraturas e luxações também são bastante comuns. Um dos ossos mais vulneráveis para o ciclista é a clavícula, sendo acompanhado de perto pelos braços, juntamente com os dedos das mãos.

Traumatismos cranianos ocorrem em até 50% dos casos de acidentes, sendo responsáveis por 60% dos óbitos. Ou seja, ciclistas que não usam capacete têm 14 vezes mais chances de sofrerem um acidente fatal do que aqueles que utilizam o equipamento de proteção.
Capacete é um equipamento essencial para evitar fraturas na cabeça.


Portanto, em se tratando de acidentes, a melhor atitude ainda é a prevenção. E o ato de prevenir começa antes mesmo de pedalarmos. Em se tratando de ciclismo recreacional, principalmente trilhas ou caminhos pouco frequentados, o ideal é pedalar em no mínimo três ciclistas, pois em caso de acidente, um cuida da vítima e o outro vai em busca de socorro. O ideal também é só pedalar dentro de suas capacidades, respeitando seus limites físicos e técnicos.
Ainda antes de sair para pedalar, o ideal é que o ciclista informe a sua família seu intinerário, seja ele na trilha, estrada ou cidade, bem como seu provável horário de retorno e seus acompanhantes. Outra dica é o ciclista exibir seu tipo sanguíneo no capacete. Se você não souber, aproveite e pratique uma boa ação: basta doar sangue e buscar o exame para saber o tipo. Procure conhecer sempre seu trajeto antecipadamente, principalmente no caso de trilha. O ciclista deve procurar saber o nível técnico do percurso, a duração aproximada do pedal por trecho, o horário do por-do-sol (acredite: já vi vários colegas ficarem “em maus lençóis” por não se prepararem para a ausência de luz), bem como se o local tem sinal de telefonia celular e as possibilidades de socorro nas imediações.
Tenha também sempre a mão os números dos serviços de emergência e socorro. Em todas as cidades brasileiras com mais de 150.000 habitantes, o governo federal oferece o SAMU – O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, que pode ser acionado pelo telefone 192, atendendo a mais de 900 municípios brasileiros.
E de acordo com o artigo 135 do Código Penal Brasileiro, todos somos obrigados a prestar socorro às vítimas de acidentes ou males súbitos, sob pena de processo por omissão de socorro. A pena pode chegar até a um ano de detenção, e será aumentada se a omissão resultar em lesão corporal, chegando a triplicar em caso de morte. Ficam fora desta lei menores de 16 anos, gestantes a partir do terceiro mês de gravidez, e maiores de 65 anos.
Na maioria das vezes, socorrer implica em somente proteger e sinalizar o local do acidente e chamar ajuda especializada. Os ciclistas podem se beneficiar desta lei, pois, por exemplo, nós podemos acionar os serviços de emergência de uma rodovia, mesmo que o acidente tenha ocorrido fora dos domínios da estrada, se estivermos próximos da mesma.
A principal causa de morte pré-hospitalar é a falta de atendimento, e a segunda é o socorro inadequado. Os primeiros socorros são as providências que tomamos ainda no local do acidente, até a chegada do socorro especializado. O atendimento adequado é mais importante que a rapidez do atendimento, pois este, se não for executado a contento, pode gerar males piores e até sequelas posteriores. O ideal é que o acidentado esteja em um centro cirúrgico em no máximo 60 minutos após o acidente. E este período é chamado de “golden hour” (hora de ouro).
Na ocorrência de um acidente, basicamente, devemos:
1- Manter a calma e não fazer nada por instinto, pensando antes de executar. Devemos ainda confortar a vítima, sem mexer nela. Deve-se trabalhar com a máxima de que “toda a vítima de acidente possui lesão cervical até se provar o contrário”.
2- Sinalize e garanta a segurança do local do acidente para evitar outros acidentes.
3- A seguir, procure socorro, nunca abandonando o acidentado. Use o celular, pare algum veículo ou procure um telefone público.
4- Se estiver em grupo, controle a situação e distribua as tarefas para as outras pessoas: um sinaliza o local, outro conforta a vítima, outro procura ajuda.
5- Observe as reações do acidentado. Se ele se levantar sozinho e espontaneamente, isto é bom sinal.
Passo-a-passo para os primeiros socorros:
1- Verificar se a vitima está consciente ou não
2- Sinalizar e isolar o local do acidente
3- Checar os sinais vitais, tais como a respiração (use o dorso da mão para sentir), e pulso (encoste a mão no pescoço procurando sentir a pulsação)
4- Perguntar a vítima: onde dói, nome, onde reside, idade e telefone. Estas informações são importantíssimas, pois o estado de uma vítima é inversamente proporcional ao número de informações obtidas.
5- Observar atentamente as reações da vítima, procurando mantê-la longe do sol e do frio.
* Existem algumas ocasiões onde o acidentado deve ser removido imediatamente. Confira:
1- Quando não houver mais nada a fazer no local
2- Quando a remoção for essencial para a vida da vítima
3- Quando o local oferecer risco iminente para a vítima, p.ex; a vítima estar sob uma árvore prestes a cair.
O que fazer até a chegada do socorro:
Hemorragias:
Nesta urgência tudo depende do tamanho do corte. Em cortes pequenos com sangramento, podemos até improvisar pontos falsos com esparadrapo. Já para estancar uma hemorragia, o método mais eficaz é fazer compressão direta sobre a área, até com a própria roupa da vítima. Outro método é elevar o membro atingido, usando a gravidade a favor. Se não funcionar, a solução é improvisar um garrote ou torniquete, com um pedaço de tecido ou com uma fita de borracha (que pode ser uma cÂmara sobressalente, por exemplo), tomando o cuidado de liberar o fluxo sanguíneo por um minuto a cada quinze minutos.
Fraturas:
As fraturas mais comuns entre os ciclistas são as clavículas, braços e dedos das mãos. Jamais tente reduzir, isto é, alinhar um membro fraturado. O ideal é que o membro seja imobilizado, obedecendo os desvios causados pela fratura. Você pode improvisar uma tala com pedaços de madeira envoltos em tecido. E a vítima deve evitar movimentos.
Lesões na cabeça:
O ponto mais vulnerável do crânio são as têmporas, região localizada na lateral da cabeça, entre a orelha e os olhos. Traumas fortes na cabeça resultantes de quedas podem deixar a vítima inconsciente por alguns minutos ou até mesmo por várias horas e dias. Se bater a cabeça, mas estiver consciente, procure o quanto antes um hospital, principalmente se após o acidente o ciclista apresentar perda da consciência, confusão mental ou perda da memória, dor de cabeça, visão embaralhada, perda da audição e vômitos. Qualquer batida na cabeça não deve ser negligenciada. E nunca deixe a vítima dormir logo após um trauma na cabeça. Converse com ela procurando mantê-la consciente, até a chegada do socorro.
Desmaios:
Ao contrário da crença popular, os desmaios na verdade são positivos e significam perda de consciência do corpo como forma de defesa. Este estado pode durar de alguns segundos até uma hora inteira! E os motivos podem ser os mais variados, tais como: hipoglicemia (baixa quantidade de açucar no sangue), insolação (mais comum), cansaço e dores extremas (no caso de acidentes), estresse emocional, intoxicação ou qualquer situação onde ocorra uma rápida perda de sangue. A vítima deve ser deitada com a cabeça mais baixa do que o coração e os membros inferiores devem ser elevados em mais ou menos 30cm. Gire a cabeça da vítima para o lado, para que sua lingua não interrompa a passagem do ar na garganta. Afrouxe as roupas, umedeça a face e o pescoço da vítima com uma toalha e jamais dê líquidos para alguém inconsciente.
Dentes:
Em traumas frontais, é muito comum termos dentes lesionados, o que pode variar desde a quebra de um pedaço até a perda completa do elemento (avulsão). O importante é, sempre que possível, procurar o fragmento ou o dente inteiro, limpando-o e acondicionando-o em soro fisiológico, leite, ou até na própria saliva. No caso de avulsão, pode ser feito um reimplante, sendo que o sucesso deste será proporcional ao tempo em que o dente esteve fora da cavidade original. Se o dente afetado amolecer, porém não sair completamente de seu sítio de origem, mantenha-o no local com a lingua, desde que a vítima esteja consciente. Se não, às vezes é preferível retirá-lo para evitar a deglutição do mesmo, podendo com isto termos até um sufocamento. Com as técnicas atuais de reabilitação oral, a perda de um dente é facilmente suplantada. Os fragmentos também podem ser “colados” ao dente atingido posteriormente. Assim que possível, procure um cirurgião dentista para avaliar e conter o dano.
Olhos:
Os ferimentos mais comuns nos olhos são normalmente causados pela vegetação, por insetos e por pedras que são lançadas pelo ciclista que vai a frente. Não há muito que fazer no meio do mato, a não ser lavar os olhos com água limpa. Assim que possível, procure um oftamologista, para avaliar e conter o dano.
Kit de Primeiros Socorros
Ter a mão um kit de primeiros socorros pode fazer toda a diferença nos primeiros socorros. Veja, é importante observar que este kit se presta somente ao primeiro atendimento, até um socorro mais eficaz e completo poder ser prestado. Assim, seu telefone celular na maioria das vezes pode ser mais valioso que o kit. Você pode comprar um kit pronto na maioria das farmácias, que pode muito bem atender esta demanda. Só para informação, um kit básico deve conter:
- luvas descartáveis
- soro fisiológico
- água oxigenada
- água boricada (para lavagem ocular)
- éter e álcool (para limpeza)
- gaze e algodão
- rolo de esparadrapo
- fita do tipo microporo
- alfinetes de segurança, tesoura e pinça cirúrgica
- termômetro
- curativos do tipo “band-aid”
- loção de calamina (tipo “Caladryl”)
- comprimidos de analgésico, antitérmicos, contra indigestão, enjôos, cólicas e dores de barriga
Mais do que tudo, o fundamental é sempre pedalar equipado com capacete, luvas e óculos. O capacete reduz em até 85% as lesões da cabeça e em aproximadamente 65% os traumas no rosto e no nariz, desde que utilizado corretamente. Em breve faremos um post sobre como selecionar e utilizar melhor o capacete. As luvas reduzem bastante as lesões superficiais das mãos, pois quando caímos normalmente elas são nosso primeiro ponto de apoio. Elas também ajudam a prevenir a compressão dos nervos. O uso de óculos protege contra eventuais pedras lançadas pela bike que vai a frente, vegetação e raios solares nocivos.
Telefones de Emergência
Bombeiros: 193
SAMU: 192
Polícia Militar: 190